Megalitismo nas Herdades da Fundação Eugénio de Almeida

dezembro 2006

Autor: Manuel Calado

 

 
As herdades da Fundação Eugénio de Almeida refletem, no que diz respeito ao património megalítico, o panorama geral do Alentejo Central. Se considerarmos apenas o concelho de Évora, verifica-se que os menires aparecem nitidamente sub-representados: esta evidência relaciona-se com o facto de as herdades da Fundação Eugénio de Almeida se distribuírem a Este do meridiano de Évora, onde aliás se localizam os melhores solos agrícolas, enquanto os menires se concentram a Oeste da cidade.A expansão neolítica, correspondendo à fase em que se construíram as antas – o Neolítico final – veio finalmente ocupar os melhores solos agrícolas, em paisagens menos diferenciadas.Num certo sentido, as herdades da Fundação Eugénio de Almeida correspondem muito mais ao mundo do Neolítico final – e das antas – do que do Neolítico antigo – e dos menires.  O conjunto das Murteiras – povoado, sepulturas e anta – constitui um dos melhores exemplares para, de uma forma integrada, podermos ter uma imagem das paisagens da vida e da morte nas primeiras sociedades camponesas da região. Os primeiros pastores e agricultores do Alentejo.   

Partilhar conteúdo: