A Ordem de Malta reforça o seu Corpo de Voluntários para apoio aos Peregrinos de Fátima

Inscrições até 21 de Abril

Oportunidade de Voluntariado 352/16, Ordem de Malta: apoio a peregrinos


A Ordem Soberana e Militar de Malta e o seu Corpo de Voluntários

A cruz branca oitavada, símbolo da Ordem Soberana e Militar de Malta é uma referência Universal de Paz, concórdia e Amor Cristão. 

 

A Ordem Soberana e Militar de Malta (OSMM) teve a sua origem em Jerusalém no ano de 1070 com um Hospital para albergar e tratar peregrinos que demandavam a Terra Santa por ocasião das cruzadas. Em 1553, por Bula do Papa Pascoal II (Piae Postulationes) foi aprovada a Instituição do Hospital de São João.

 

Em Portugal a Ordem de S. João do Hospital, marcou a sua presença desde a Fundação da Nacionalidade. Em Évora, após a conquista, deu D. Afonso Henriques um local para os Hospitalários, designado de Hospital de São Joãozinho, tendo no Séc. XVI sido transferido para Estremoz pelo então Prior do Crato.

 

Ao longo de nove séculos de vida a OSMM afirmou-se como entidade Soberana, internacionalmente reconhecida, tendo por finalidade principal servir aqueles que sofrem e os mais carenciados numa perspetiva Cristã de amor ao próximo e solidariedade social. É uma ordem de cariz religioso, das poucas reconhecidas pela Santa Sé, sendo a sua sede em Roma.

 

Em Portugal foi fundada em 1899 a Associação dos Cavaleiros Portugueses da Ordem Soberana e Militar de Malta, que é uma entidade com estatuto de Utilidade Pública, e uma Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS), com sede em Lisboa na Igreja de Santa Luzia e São Braz, junto à Catedral de Lisboa.

 

Tem desenvolvido obras assistenciais em prol dos mais desfavorecidos, nomeadamente na área da assistência médica alimentar e espiritual, sendo o Corpo de Voluntários (CVOM) o seu braço assistencial no apoio aos peregrinos a pé para Fátima e Santiago de Compostela. Colabora também com o Banco Alimentar contra a Fome, em visitas a lares de terceira idade e deficientes, e estabelecimentos prisionais, sendo que o CVOM-Sul presta especial apoio aos peregrinos que atravessam o Alentejo.


Necessidade de Voluntários

O apoio do CVOM-Sul concentra-se sobretudo nos meses de Maio, Outubro e Dezembro, quando ocorrem peregrinações a pé a Fátima e Vila Viçosa. Esporadicamente são tratados também pelo CVOM peregrinos para Santiago de Compostela.


O nosso lema é “Onde o peregrino precisa de apoio, estamos presentes”. Assim temos postos fixos e postos móveis de tratamento e apoio físico e moral aos peregrinos. Os postos fixos estão em locais onde o peregrino passa e pernoita, os móveis são equipas que se deslocam aos locais de tratamento, dando uma cobertura assistencial a todo o Alentejo e Ribatejo até Fátima.


Postos fixos:
Ferreira do Alentejo, Ermidas do Sado, Grândola, Alcácer do Sal, Montemor-o-Novo, Lavre, Coruche, Almeirim, Alcanhões, Pernes, Minde, Alcanena e Azambuja.

Postos móveis: Arraiolos, São Pedro da Gafanhoeira, Brotas, Raposa, Montargil, Alcáçovas, Alvito, Cabrela, Vendas Novas, Cortiçadas de Lavre, Torres Novas, Riachos e Quinta Nova.


O Funcionamento dos postos é sobretudo, ao fim da tarde (horário pós-laboral), quando o peregrino chega ao fim da sua etapa diária. Apenas Alcanhões, Azambuja e Pernes funcionam todo o dia.

O funcionamento começa dia 3 de maio e termina dia 12 de maio, conforme a chegada dos peregrinos aos postos. Há postos que só funcionam 1 dia, e no máximo funcionam 3 dias. Este é o caso de Pernes, que te tratado anualmente mais de 500 peregrinos. O total de peregrinos tratados em 2015 pelo CVOM-Sul foi de 2100.


Perfil dos Voluntários

O perfil do voluntário do CVOM é o de alguém que esteja disposto a ajudar o próximo, numa perspetiva Cristã de solidariedade social e que tenha disponibilidade para o acolhimento e tratamento dos peregrinos, ao final da tarde (exceto nos postos que trabalham durante todo o dia).


Neste perfil encaixam características como a capacidade de interação e gosto pelas relações interpessoais, na ótica do ânimo e apoio ao peregrino.


Condições oferecidas aos voluntários

- Em serviço, o CVOM fornece aos voluntários, indumentária identificativa, ou bata branca que nos são gentilmente oferecidas por várias entidades.

 - As despesas de refeições e transportes são suportadas pelo CVOM, mediante apresentação de documentos contabilísticos com os dados da OSMM.


Haverá também uma sessão de formação dada por um enfermeiro do CVOM (se possível também um médico) em local e data a definir.


Data limite de inscrições:
21 de Abril através de pré-registo no fomulário disponivel abaixo (e posterior preenchimento do formulário próprio da Ordem de Malta)

Partilhar conteúdo: