Instituições de Évora recebem 2000 kg de laranjas colhidas por Voluntários

Desde 2012, vários grupos de voluntariado se têm unido para, num gesto simples de colher laranjas, transformar o que seria desperdício em comida de qualidade para quem mais precisa.

 

No passado dia 8 fevereiro 2019, na Quinta de Valbom e no Páteo de São Miguel, espaços da Fundação Eugénio de Almeida, a Colheita Solidária de Laranjas, resultou na apanha de 2 toneladas laranjas, por 95 voluntários, para mais de uma dezena de Instituições Sociais de Évora.

 

Desta vez, a convite da Fundação Eugénio de Almeida, participaram na iniciativa solidária perto de 80 crianças e jovens, das Escolas Manuel Ferreira Patrício – Espaço Com Tacto, Colégio Salesianos de Évora, Escola André de Resende – Clube de Voluntariado da Escola Gabriel Pereira e Escola Severim de Faria, do 2º, 5º, 6º, 8º e 10º ano,  mobilizados através dos seus professores, que têm vindo a sensibilizar as crianças e jovens para a participação em atividades de voluntariado, facilitando a sua integração e ligação à comunidade local, e sensibilizando os alunos para o conhecimento das causas sociais, através do voluntariado.

 

À colheita solidária juntaram-se os voluntários dos projetos de Voluntariado da Fundação Eugénio de Almeida e várias pessoas da comunidade, algumas das quais para uma primeira experiência de voluntariado, que com um gesto simples, quiseram dar o seu tempo, energia e ajuda, na colheita de laranjas.

 

O Banco Alimentar Contra a Fome de Évora esteve presente durante toda a iniciativa e graças à sua colaboração, as laranjas foram aí acondicionadas e entregues a várias instituições sociais de Évora, tais como a Associação Pão e Paz, a Refood de Évora, a Cercidiana, a Associação de Amigos da Criança e da Família – Chão dos Meninos, a Associação Ser Mulher,  a Associação portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental em Évora - APPACDM, a Porta Mágica - Associação de Solidariedade Social, o Centro Social e Paroquial de Nossa Senhora de Fátima, o Centro Social e Paroquial de São Brás, o Centro Infantil Irene Lisboa, a Associação de Reabilitação Apoio e Solidariedade Social – ARASS, a Associação de Paralisia Cerebral de Évora – APCE e o Casulo, que as farão chegar aos seus utentes e a várias famílias de Évora.

 

Contribuir para minimizar problemas sociais, alargando a rede de parcerias e mobilizar pessoas para possibilitar, que novos voluntários, possam ter a sua primeira experiência com o voluntariado, promovendo uma participação comprometida e ativa com a comunidade, faz muito sentido, porque promove a transformação pessoal e social e cria uma onda de solidariedade composta por pessoas dispostas a fazer algo significativo para outras pessoas.

 

Ter no dia-a-dia, uma postura colaborativa, gera um efeito cascata que contagia as pessoas que nos rodeiam, estender a mão, por causas sociais e ajudar outras pessoas, tem benefícios que não são apenas do âmbito pessoal, o voluntariado além de trazer alegria para quem ajuda e satisfação pessoal, traz competências sociais e profissionais e um maior envolvimento com a comunidade, assim como o reforço da sociedade civil e da cidadania ativa.

 

Quer saber como pode ajudar e participar?  Inscreva-se como voluntário e consulte as oportunidades de voluntariado que temos para si em: www.fea.pt/banco-voluntariado

 

   

 

   

 

   

   

 

   

 

Veja o álbum de fotos da iniciativa aqui: https://www.facebook.com/BVFEA/

 

 #ajudarfazbem#voluntariadofea 

 

Partilhar conteúdo: