A insustentável leveza dos objetos

© Fundação Eugénio de Almeida | Jennifer Robertson (cortesia da artista)

 

 

12 de outubro de 2019 a 29 de março de 2020

Curadoria de Monika Bakke

Centro de Arte e Cultura, Piso 1

 

O conceito de objeto tem conquistado significativo relêvo na constelação teórica que marca o início do século XXI, fazendo convergir em si as grandes linhas temáticas e as grandes interrogações políticas, sociais e culturais desta época. Com efeito, colocado no centro de inquietações ontológicas e filosóficas, o conceito de objeto adquiriu hoje uma espessura crítica capaz de plasmar de forma precisa tendências da vida e da criação artística. Em particular, a distinção humano vs. não-humano tem sido submetida a exaustivo escrutínio, configurando novas ecologias de pensamento onde tanto se questiona a centralidade ocidental da noção de sujeito como se repensa a história recente. Ou, à luz da problematização da agência (pensando não os objetos mas a ação que neles se inscreve), se confere ao debate sobre o planeta e o antropoceno uma renovada centralidade.

 

 

 

 

 

 

Partilhar conteúdo: