Duas ou três coisas...

 

21 de janeiro | 18h00
Centro de Arte e Cultura
Entrada livre, limitada aos lugares disponíveis

É obrigatória a apresentação de certificado digital (de acordo com normas da DGS em vigor).

 

Cartografias da cidade
Trabalhos de Danilsa Gonçalves, David Almeida, Fabrísio Canifas Delgado, Hoana Gonçalves, Manuel Prazeres

Cinco jovens performers apresentam a documentação do seu trabalho de inquirição sobre a cidade. Os projetos, realizados no âmbito da disciplina de Performance da Licenciatura em Teatro da Universidade de Évora, interrogaram a cidade nas suas carências, nas suas in-diferenças, a caminho de uma política de afetos performativa, mobilizadora e inquietante.

Coordenação de Beatriz Cantinho (PhD)
Professora Auxiliar no curso de Teatro na Universidade de Évora. Doutorada em Dança/Filosofia - Universidade de Edimburgo. Coreógrafa independente e investigadora nos laboratórios do CHAIA e do CIAC. O seu trabalho artístico e de investigação centra-se numa análise crítica do movimento de dimensão estético/política, considerado enquanto prática coreográfica expandida.

 

Fabrisio Canifa Delgado, natural de Cabo Verde, atualmente frequenta o 3º ano da licenciatura em Teatro da Universidade de Évora. Entre 2008/10 participou na formação teatral promovida pela associação italiana “Stringle Colorate”. Colaborou com diversas instituições e já participou em mais de 20 produções teatrais.

Sinopse
Sentado numa cadeira de rodas propunha deslocar-me ao edifício dos leões a partir da rodoviária de Évora. Em trajes do quotidiano e com uma mochila como bagagem. Em vez de procurar os trajetos pré-determinados busquei os sítios onde a dificuldade de deslocação era maior e mais visível. A ação desenvolvida consistiu em fazer deslocar a cadeira de rodas, onde estava sentado, com a força dos meus próprios braços, num percurso realizado fora das muralhas da cidade.
 

Manuel Prazeres nasceu em São Sebastião da Pedreira a 9 de abril de 1994, Lisboa. Começa por estudar ciências no secundário, depois muda para economia, quando percebe que não era nada daquilo que queria seguir, decide ir trabalhar para o ramo da restauração. Após 7 anos a trabalhar, candidata-se à UE e entra em teatro, um dos seus grandes sonhos.

Sinopse
Sou a tua tela! Faz o que quiseres, mas com amor!
A minha performance teve como objetivo principal sair da minha zona de conforto. A minha intenção era de alguma forma aceitar o que sou e o que tenho e em simultâneo criar com as pessoas uma conexão. A conexão consistia em aceitar também o que estava à frente deles, um corpo despido de preconceitos e estereótipos que tinha como intuito ser uma tela. Uma das coisas que queria experienciar era ter a noção de como é que as pessoas me viam e o que fariam com o meu corpo. Uma atitude diz mais que mil palavras.
 
 
Hoana Gonçalves. Fotógrafa, licenciada e especialista em Artes Visuais, cultura e criação, a artista plástica e jornalista por profissão pesquisa sobre modos de ver no mestrado de Práticas Artísticas na universidade de Évora. Interessada na temática do invisível, dedicou os anos à criação de um projeto que, através da fotografia, insere pessoas cegas no universo das artes visuais.

Sinopse
Vestida com camadas de típicos trajes femininos alentejanos, caminhei pelo centro histórico de Évora. Este trajeto foi realizado na hora em que havia maior trânsito e fluxo de pessoas, pois interessava-me perceber a maneira como seria vista por quem estava pelas ruas. As muitas camadas de roupa e véus foram sendo retiradas ao longo do percurso entre o templo de Diana e a praça do Giraldo onde, por fim, algum brilho se revelou nas roupas e pele.
 
 
David Roma Pereira Pais de Almeida nasceu a 23 de agosto de 2000 em Lisboa. A sua infância foi passada entre Portugal e o Brasil, tendo vivido em Salvador da Bahia durante 5 anos. A sua paixão pelo teatro nasce aos 16 anos com a inscrição no curso de jovens atores da companhia In Impetus. Entre 2017 e 2019 frequentou workshops de teatro em Espanha, França e no Reino Unido.

Sinopse
No dia 17 de dezembro de 2021, entre as 15 e as 17 horas da tarde, a performance intitulada “Arbeit Macht Frei” realizou-se na Praça do Giraldo, em frente ao banco Santander. A performance integrou os seguintes objetos: uma secretária, um computador, fita cola e um cartaz com a inscrição: “Arbeit Macht Frei”
De boca tapada com fita cola escrevi ao longo de duas horas, “O trabalho liberta”. Após uma hora, realizei pausas a cada 15 minutos com a boca destapada, em que fumava e pronunciava a frase previamente referida.
 
 
Danilsa Pedro Gonçalves, de nacionalidade angolana, bolseira do PROCULTURA, um projeto financiado pela União Europeia. Atriz do grupo Miragens há sete anos, em Angola, participou em vários projetos como RETRATO DE UM ARTISTA, DESNUDO e CIRCUITO INTERNACIONAL DE TEATRO (3 edições). Fez o secundário em teatro, em Angola, e atualmente é estudante do 3º ano de teatro na universidade de Évora.

Sinopse
Há um ano que a cidade de Évora está abarrotada de estudantes portugueses e principalmente de estudantes estrangeiros. Com o aumento da população na cidade, nota-se a falta de alojamento tanto nas residências universitárias como em casas particulares. E com o aumento de estudantes na cidade, viu-se também a subida do arrendamento, quase que uma quantia absurda para casas muitas vezes sem condições. Este trabalho foi construído com o intuito de despertar a atenção da cidade no que concerne a este problema, mostrando as dificuldades que os estudantes estrangeiros enfrentam por falta de alojamento durante a sua permanência em Évora.
 
 

Partilhar conteúdo: