Coleção de Carruagens

O passado é prólogo


 

 

 

 

Versão portuguesa  
   

English version

 

Antigo celeiro do Cabido da Sé de Évora, o edifício que acolhe a Coleção de Carruagens foi adquirido por Vasco Maria Eugénio de Almeida em 1959 com o objetivo de o integrar no conjunto edificado do Páteo de São Miguel e de para aí transferir provisoriamente a sede da Sociedade Recreativa e Dramática Eborense que durante décadas ocupara os salões nobres do Paço de São Miguel.

Aberta ao público desde 1998 e objeto de requalificação entre 2011 e 2012, a Coleção de Carruagens reúne as atrelagens e utilitários de viagem que se encontraram ao serviço da Casa Eugénio de Almeida entre a segunda metade do século XIX e os primeiros anos do século XX.

Adquiridas aos principais fabricantes da Europa, as carruagens chegavam a Lisboa em veleiros e barcos a vapor prontas a usar ou a montar no destino, peça a peça. O requinte luxuoso dos acabamentos, a elegância na apresentação dos cavalos, também eles importados de França, Antuérpia ou Inglaterra, o detalhe laborioso dos arreios e utensílios de atrelagem, o aprumo do cocheiro e do trintanário, ou os custos associados à aquisição e manutenção das carruagens constituíam, nos ambientes citadinos do século XIX, uma manifestação clara do estatuto social dos seus ocupantes.

Radicada em Lisboa, é neste universo que a família Eugénio de Almeida se move e do qual as carruagens e as “viagens sociais” a que deram colorido constituíam mais uma das suas múltiplas manifestações.

A partir do final do século XIX e sobretudo dos primeiros anos do século XX, a utilização de carruagens começa a ser progressivamente substituída pelo automóvel, mais confortável e, sobretudo, mais rápido.

No caso da família Eugénio de Almeida, a transição entre os dois mundos começa em 1907 com a aquisição do primeiro automóvel. As cocheiras localizadas no Parque de Santa Gertrudes, parte integrante do Palácio de São Sebastião da Pedreira, em Lisboa, sofrem então as primeiras obras de adaptação de modo a serem convertidas em “gare de automóveis” enquanto as “ultrapassadas” carruagens são expedidas via caminho-de-ferro para as propriedades da família em Évora.

Décadas depois, quando as carruagens não passavam quase de uma mera reminiscência do passado, registada nos álbuns de família, o progresso, uma vez mais, devolveu à vertigem da história um novo conflito mundial. Com a Segunda Guerra Mundial chegou também a revelação de que era necessário restringir a utilização de combustíveis, agora fundamentais nos campos de batalha, onde o combate também se mecanizara.

O racionamento foi imposto à escala mundial. Vazios os depósitos dos automóveis, as velhas carruagens não tardaram a ser resgatadas ao manto diáfano do tempo. Os arreios de tiro, os pingalins e o brilho das lanternas agora alimentadas por baterias, voltaram a dar colorido às ruas, praças e avenidas dos lugares, ao som dos andamentos dos cavalos e dos rodados das carruagens.

Terminada a guerra, rapidamente a situação teve o seu revês e os automóveis provaram ser incontornáveis. Apesar de preteridas, as carruagens da família nunca foram descuradas, tal como os objetos fundamentais à sua utilização, assumindo-se a importância da sua conservação e restauro o que nos permite, hoje, em pleno século XXI, apreciar esta coleção, na Fundação Eugénio de Almeida.
 

 

 

     
 

As aventuras de Tom e Henry

 

   
 

Na Casa Eugénio de Almeida, o ano de 1891 começou com uma novidade: a contratação de dois grooms ingleses para o serviço da cocheira. Oriundos de Londres, Thomas e Henry, chegaram a Lisboa, à vez, entre os meados de dezembro e os primeiros dias de janeiro, recomendados pelo Barão Sandeman. Nos dois meses seguintes, os episódios e peripécias que protagonizaram acabariam por ditar o seu regresso precoce a Inglaterra. O que se terá passado? | 2021-12-16

 

 
     

 

     
 

«Chique a valer»

 

   
 

Em 1882, o Palácio de São Sebastião da Pedreira, em Lisboa, à época a principal residência da família Eugénio de Almeida, recebeu um «elegantíssimo» baile, que contou com a presença do Rei D. Luís e da Rainha D. Maria Pia. A notícia do evento foi publicada na edição do Diário Illustrado de 15 de janeiro de 1882[1]. Apesar da presença Real e do «extraordinário» número de convidados, o jornalista que acompanhou o evento pareceu sobretudo impressionado com o requinte do palácio a cuja descrição dedicou quase todo o artigo  | 2021-04-14

 

 
     

 

     
 

8.º aniversário da Coleção de Carruagens

 

   
 

A assinalar o 8.º aniversário da Coleção de Carruagens, inaugurada no dia 12 de março de 2013, partilhamos vários documentos relacionados com uma das atrelagens deste espaço que, de acordo com a sua tipologia, recebe a designação de Tonneau ou Governess Cart. Embora se trate de uma viatura do século XIX, foi adquirida apenas em 1933 pelo 1.º Conde de Vill’Alva. Por questões de segurança e comodidade, o novo proprietário introduziu algumas «pequenas» novidades «tecnológicas» não muito comuns numa carruagem  | 2021-03-12

 

 
     

 

     
 

Um acidente hipomóvel

 

   
 

Em 1884, numa carta dirigia ao prestigiado fabricante de carruagens inglês H. & A. Holmes, de Derby, Inglaterra, a quem encomendara uma Double Brougham, Circular Front, N.º 48, Carlos Maria Eugénio de Almeida (1845-1914), depois de escolher a cor das rodas e da caixa discorreu, largamente, sobre um dispositivo que considerava indispensável no seu novo hipomóvel: os travões! | 2021-12-19

 

 
     

 

 

HORÁRIO

Terça-feira a domingo 10h00 – 13h00 | 15h00 – 19h00
Encerra à segunda-feira e nos dias 25 de dezembro e 1 de janeiro.
Entrada gratuita

Vistas guiadas de terça-feira a domingo, mediante marcação prévia, integradas na visita ao Paço de São Miguel.

Coordenadas

38.572319º, -7.906384º

Contactos
geral@fea.pt
servicoeducativo@fea.pt
Tel. (+351) 266 748 300

Partilhar conteúdo: