De pai para filho  
 

«A vida de Vasco Maria (...) não seria outra coisa senão uma demonstração de que as palavras do seu pai nunca foram esquecidas»
2021-03-19

 
     
 

 

 
 

Durante uma breve estadia no Hotel do Bussaco, para onde se retirara com a mulher para apanhar os ares da serra, José Maria Eugénio de Almeida, 1.º Conde de Vill’Alva, entre o tempo dedicado aos passeios pela mata, à leitura dos jornais e às conversas com outros hóspedes de ocasião, não deixou de dar atenção ao filho, Vasco Maria Eugénio de Almeida, então com 11 anos de idade e a estudar na Escola Académica, em Lisboa. Em carta que lhe dirigiu, em 28 de fevereiro de 1925, para além de o colocar ao corrente de onde iria passar as férias escolares da Páscoa, fez recomendações sobre como se devia comportar «para vir a ser um homem de bem». A vida de Vasco Maria, prematuramente interrompida a poucos dias de completar 62 anos, não seria outra coisa senão uma demonstração de que as palavras do seu pai nunca foram esquecidas.

 
 

 


 
 

 
 

ALMEIDA, José Maria Eugénio de - [Carta] 1925 fev. 28, Bussaco [a] Vasco [Maria Eugénio de Almeida] [Manuscrito]. 1925. 4 fl. Arquivo e Biblioteca Eugénio de Almeida, Évora, Portugal.


 

 
 

 

José Maria Eugénio de Almeida
1.º Conde de Vill'Alva
c. 1930
Vasco Maria Eugénio de Almeida
(primeiro a contar da esquerda)
c. 1925
 
       
   
   
 
   

 

 

 

 

Partilhar conteúdo: