Programa de Capacitação em Liderança e Comunicação para 18 jovens terminou com grande entusiasmo!

A Fundação Eugénio de Almeida, no âmbito da Área Social e de Desenvolvimento, realizou entre 15 de setembro e 27 de outubro, a 2.ª edição do Programa de Liderança e Comunicação para Jovens, um programa vocacionado para o desenvolvimento de competências de comunicação e liderança, dirigido a jovens entre os 12 e 16 anos.
 
Este Programa  consiste num conjunto de 7 sessões, de 1h30, totalizando 15 horas de formação, possibilitando aos jovens da região desenvolverem as suas competências de comunicação e liderança através do método learning by doing, ou seja, através da experiência prática, aprendendo a melhorar a sua expressão oral e comportamental em situações de apresentação pública, discurso em público, falar de improviso e outras, melhorando também a forma de dar feedback de modo construtivo aos seus pares.
 
Para além das 6 sessões em que se desenvolvem estas softskills nos jovens, fundamentais para sua a integração e o sucesso profissional, foi ainda ministrada pela Fundação uma sessão complementar que incluiu uma abordagem ao Voluntariado e Empreendedorismo Social, enquanto práticas de cidadania ativa, alinhando assim valores fundamentais para a missão da Fundação Eugénio de Almeida. Os jovens tiveram assim a oportunidade de conhecerem as diversas possibilidades de fazer voluntariado e sensibilizá-los para o tema do empreendedorismo como uma resposta criativa para resolver problemas sociais.
 
Integraram a 2.ª edição deste Programa um conjunto de 18 jovens, de diferentes idades, mas todos com uma forte motivação e sentido de responsabilidade.
 
Na Sessão Final, realizada dia 10 de Novembro, o Coordenador da Área Social e de Desenvolvimento, Henrique Sim-Sim, procedeu à entrega dos Diplomas de Participação, na  presença das famílias dos jovens, tendo Henrique Sim-Sim realçado a importância destas formações para o futuro profissional e pessoal, referindo ainda que, segundo um estudo da McKinsey, “para os empregadores, competências como a capacidade de comunicação, a orientação para a resolução de problemas e para a tomada de decisão, a capacidade de organização e gestão, o profissionalismo, as competências de liderança e de trabalho em equipa eram, muitas vezes, mais valorizadas pelos empregadores do que propriamente os conhecimentos técnicos”.
 
A Área Social e de Desenvolvimento continuará assim a apostar na formação e valorização dos mais jovens nestes domínios, com o objetivo de reforçar o capital humano da região tendo em vista o desenvolvimento sustentável do território.
 
 
 
 
 
 
 
 

Partilhar conteúdo: